Fruído há infindáveis gerações na cultura asiática, o ganoderma tem fortes argumentos naturais que lhe concedem as suas propriedades intrínsecas tão elogiadas pela medicina tradicional nipónica e recentemente ratificadas, embora só parcialmente, pela medicina moderna. Contudo, ao que tudo indica este fungo comestível de aspecto tosco e interior sólido que implica uma técnica concreta de preparação em cozinhado fará parte da vida de muitas pessoas a breve trecho, pontual ou regularmente.

No vasto conjunto das importantes vantagens para a saúde resultantes da ingestão deste tortulho singular encontram-se as suas capacidades de protecção dos órgãos vitais face a vírus e infecções, a sua acção de atenuação das consequências de terapias por radiação, função anticancerígena e imunoreguladora, entre muitas outras. Apenas mencionando este raro lote de (grandes) potencialidades com fins terapêuticos percebe-se desde logo as razões por detrás de uma utilização que dura há mais quatro mil anos, no entanto, é de cada um a opinião final depois de experimentado este tortulho enaltecido.

A ampla gama de benefícios do ganoderma é actualmente reconhecida por leigos e especialistas mas ainda existe muito para descobrir acerca deste alimento. É uma realidade que já faz parte do quotidiano de milhões de consumidores nos quatro cantos do planeta, seja por preferência ou recomendação médica. A certeza, porém, é a de que independentemente dos motivos que levam à sua degustação o estatuto alcançado por este fungo comestível, em conjunto com a sua enorme versatilidade de confecção e consequente amplitude de produtos dele derivados, deixam antever um futuro bastante próspero para o ganoderma.